De Times Square ao Paredão de Matosinhos

Em meados de 2018, com pompa e circunstância o Turismo de Portugal com a presença do primeiro ministro, passou num do videowall de Times Square um filme da maior onda do mundo que, como todos sabemos fica na Nazaré, para promover o país enquanto destino turístico de surf. Uma espécie de fenómeno do Entroncamento, mas em modo high-tech e muito dispendioso.

Nem seis meses depois a Ministra do Mar vem apresentar a extensão do paredão do Porto de Douro e Leixões, condenando de uma forma sumária toda a praia Internacional do Porto, também conhecida como praia de Matosinhos. A condenação estende-se muito para além da destruição das ondas desta praia. Esta que é talvez a praia com maior densidade de surfistas em Portugal, que pela sua situação e acessibilidade permite o ensino do surf como poucas em Portugal. É também uma montra da região para quem chega de Cruzeiro, e para quem depois de descer a avenida da Boavista tem essa oferta que é uma praia urbana com qualidade (apesar de por vezes a qualidade da água deixar a desejar), isto se tivermos apenas em conta os turistas e o turismo. Se falarmos da população local podemos sem medo dizer que entre a marginal que vai da Rotunda do Castelo do Queijo até ao Jardim do Senhor. do Padrão passam mais de cinco mil pessoas a pé por dia durante todo o ano e na praia atrevo-me a dizer que entre Março e Outubro pelo menos outras tantas. São pessoas que vão caminhar, correr, andar de bicicleta, de skate, fazer exercício físico, que vão apanhar sol, jogar vólei, tomar banho no mar, consumir no comércio local, comer croissants e alguns (muitos) aprender e fazer surf. Porque é que este argumento é importante? Porque para além do turismo, a praia de Matosinhos também é uma das zonas de lazer do grande Porto, que gera receitas de uma forma consistente ao longo de todo ano, utilizando um recurso natural que não custa 70 milhões de euros construir e muito mais a manter e que para além disso promove o bem estar físico e mental e dessa forma reduz a despesa do Estado na saúde publica, que como todos sabemos anda pelas ruas da amargura.

Qualquer pessoa pode perceber que este projecto de fundos privados é uma má opção excepto para quem vai construir a dita obra.

Depois de ler lido um dos estudos promovido pela DGRM de autoria do LNEC vejo que a solução apresentada tem vários “potenciais” problemas, sendo dois deles em meu entender relevantes. O primeiro a possibilidade de haver excesso de areia a norte da praia e o segundo o risco de erosão elevada, que de acordo com o dito documento irá obrigar defender a zona costeira do lado sul da praia. Estamos a falar de dois riscos que por si vão muito para além dos 70 milhões de investimento privado. Estamos a falar potencialmente para a operação do porto a necessidade constante de dragar a zona de acesso ao Porto (algo, que por exemplo em Lisboa representa um custo relevante na operação portuária) — se calhar era bom fazer esta conta e apresentá-la publicamente. E ainda o risco para a população, bens e comercio local entre a rotunda da Anémona, passando pelo Edifício Transparente e chegando ao Castelo do Queijo sempre que se verificarem condições adversas. Este estudo refere que deve ser tido em conta que para “defender” a zona Sul da praia será necessário ter intervenções regulares. Aqui o custo dificilmente será imputado à APDL, mas sim à cidade do e de s, e sobretudo aos seus munícipes.

Tentando perceber os argumentos de quem ainda poderá considerar esta uma opção, fui também ver no site da os movimentos no Porto, apenas para concluir que eles são mais ou menos iguais nos últimos 3 anos. E que os dois grandes argumento para o prolongamento do molhe são a possibilidade de entrada de navios de grande porte, que analisando o site do dono dos maiores navios do mundo de carga a não passam perto do Porto, nem a companhia que tem os navios com maior dimensão a seguir a , que segundo percebi têm as suas operações ancoradas no norte da Europa e no sul de Espanha. O segundo argumento passa pela acessibilidade ao Porto nos dias de maior ondulação e neste sentido não conseguimos encontrar dados sobre quantos dias por ano nos últimos 3 anos esteve a barra fechada. Assim não se consegue perceber se este argumento é válido ou não.

Por fim quero falar do ambiente e da qualidade da água. No estudo da uma das referências é que a circulação da água se fará no sentido oposto ao relógio, o que significa que a água tenderá a ficar na zona norte da praia, justamente aquela que terá menos impacto da ondulação e por essa razão menos renovação de água. Será que este facto poderá ser relevante para a qualidade da água balnear? Penso sinceramente que sim. A análise à qualidade da água nos últimos anos tem sido muito pouco favorável com as condições existentes e por isso com menos circulação de água seguramente que será pior. E isto leva-me de novo à questão dos utilizadores da praia e do passeio marítimos que se verão confrontados a prazo com a deterioração das condições existentes e a perda de um recurso que gera receitas para toda a região do Porto.

Pergunto então que sentido tem, tendo em conta o recurso natural existente, fazer um investimento que não tem garantias de sucesso comercial e apresenta riscos iminentes para a população local e para uma das âncoras da nossa economia que é justamente o Turismo?

É tempo, acredito, de todos olharmos para esta questão e marcarmos a nossa posição, falo de cada um de nós, mas também do , da que recentemente mudou a sua sede europeia para o nosso país, da , da , da , dos diferentes representantes das entidades da restauração e da hotelaria da região, das escolas de surf e surfcamp, da Surfrider Foundation . É tempo de defender uma solução que sirva todos e não apenas alguns.

Boas ondas!!!

António Pedro de Sá Leal was born in 1971 in Lisbon, graduated in Philosophy at Universidade Nova de Lisboa.

António Pedro de Sá Leal was born in 1971 in Lisbon, graduated in Philosophy at Universidade Nova de Lisboa.